Declaração Corporativa Hollister COVID-19 e atualização da cadeia de suprimentos Leia Mais

Fique em casa. Fique conectado.

Como manter os relacionamentos pessoais e o espaço individual.

 

Todos juntos. O tempo inteiro.

Quando uma crise de saúde prende você em casa, estar junto a seu parceiro o tempo inteiro pode ser uma fonte de estresse ou de conforto.

Trabalhar de casa pode não ser algo fora do comum para alguns. Mas, agora, muitos de nós têm parceiros trabalhando em casa e filhos recebendo ensino a distância. Muitos de nós não estão acostumados a passar o dia inteiro no mesmo espaço que nossos parceiros, e é normal levar algum tempo para se acostumar com isso.

Seu Guia de Sobrevivência para Ficar em Casa.

Conversem
Comecem prevendo as dificuldades e discutam-nas antes de começarem a aborrecer um ao outro. É muito mais fácil trabalhar em equipe quando ambos estão procurando soluções juntos com tranquilidade

Crie espaço
É provável que pelo menos um de vocês precise de espaço. Considerem fazer exercícios ao ar livre separadamente. Talvez isso seja uma boa notícia para seu cachorro, pois ele terá a oportunidade de passear duas vezes

Reconheçam a raiva
Se alguma tensão surgir, tente não ser reativo e simplesmente procure sair da situação. Espere para conversar mais tarde sobre o que aconteceu, com calma e sem críticas.

Recapitulações diárias
Reservem tempo todos os dias para conversar sobre o que está funcionando e o que não está. Evitem acusações, tentem ver algum humor na situação, sejam gentis e expressem gratidão. Mais do que nunca, todos podemos ser gratos por nossa saúde.

Dedique tempo à intimidade
Supondo que nenhum de vocês esteja doente e esteja totalmente isolado, experimentem e reservem tempo para diversão e intimidade.

 


Essas dicas de cuidados consigo mesmo foram trazidas até você por Sue Lennon, uma respeitada enfermeira, terapeuta, educadora e coach com quase três décadas de experiência em enfermagem oncológica, incluindo urologia e cuidados com estoma. Ela nutre uma verdadeira paixão pela comunicação entre profissional de enfermagem e paciente e por compreender a "experiência de vida com a doença" para poder proporcionar cuidados verdadeiramente holísticos, além de ser palestrante frequente em workshops e conferências internacionais.