Declaração Corporativa Hollister COVID-19 e atualização da cadeia de suprimentos Leia Mais

Tragam-me o Espumante – Ou Então a Minha Netinha

Brenda Elsagher tem uma neta que é a felicidade das suas festas de fim de ano – e que a torna grata pela sua estomia que salvou a sua vida.

Leia a história sincera de Brenda sobre como as crianças tornam as festas de fim de ano especiais

Meus próprios filhos eram divertidos, mas também tinham que ser disciplinados, alimentados, vestidos, educados e não acreditar quando diziam que estavam indo para um determinado lugar. Verifique e verifique novamente, muito trabalho... e ainda assim foram as melhores coisas que já fizemos. Eles preencheram um vazio em minha vida que eu nunca soube que tinha até que nasceram. E então, nas férias, podíamos relaxar um pouco porque eles estavam em segurança na casa do vovô e da vovó e fugiam rindo com os primos e se divertiam muito.

E cá estamos de novo... as festas de fim de ano... tragam o espumante e o panetone para começarmos as festas! Nossos filhos estão mais velhos agora e são divertidos, espirituosos – não mais tão fofos hoje em dia. Mas então algo mudou. Tínhamos uma neta. No início, ela era simplesmente linda de se olhar e não mudou muito aquelas férias porque nós apenas a passamos de colo em colo e suspiramos de alegria.

Ela tem quase dois anos neste fim de ano. Ela é um pouco atrevida em seus maneirismos, e já sabe que ela é fofa... como lidar com ela agora? Nós a olhamos, brincamos com ela no chão (depois de muito esforço para agachar e levantar, é claro) e geralmente sorrimos sem parar enquanto brincamos de esconde-esconde com o que tivermos a mão para se esconder... seja um cobertor, um travesseiro ou então nosso cachorro.

Tudo o que ela faz é adorável. Quando ela vem à minha casa, jogamos uma cesta de brinquedos velhos no chão da sala e observamos fascinados enquanto ela pega e brinca com eles ou os traz para nós brincarmos também. Claro que ela é brilhante, engraçada e rápida, e estamos entrando naquele período assustador em que ela consegue andar mais rápido do que eu... e também quando começa a falar. Ela está desenvolvendo ao ponto em que a comunicação é simples e puramente sincera.

Mal posso esperar por isso! E enquanto escrevo isto, estamos esperando seu irmãozinho chegar. Duas daquelas criaturas adoráveis para assistir, para mudar os planos do feriado de jogos, bebidas e comida deliciosa para puro entretenimento dos pequeninos: um novo tipo de diversão que requer apenas a maravilhosa e alegre presença de crianças.

Então, você acha que neste momento sou grata pela estomia que salvou minha vida, que transformou uma paciente em uma sobrevivente de câncer? Pode apostar que sim. Meus filhos tinham três e cinco anos quando fui diagnosticada com câncer colorretal. Eles se tornaram adultos adoráveis, sempre sabendo que sua mãe tem uma colostomia. E agora meus netos também saberão.

Mas isso importa para algum deles? NÃO. Eles são gratos por eu estar por perto para mais um feriado em que olhamos para essas crianças magníficas, suspiramos de alegria e nos amamos. E eu também sou grata por isso.


Brenda Elsagher é uma palestrante, autora e comediante estadunidense. Ela vive bem com uma colostomia desde 1995. Conheça seus livros engraçados em livingandlaughing.com (site em inglês).

Transparência Financeira: Brenda Elsagher recebeu remuneração da Hollister Incorporated por sua contribuição para esta newsletter.